60

Quintas Identificadas

27

Quintas Arruinadas

10

Quintas Habitadas

20

Habitantes Entrevistados

15

Levantamento Detalhado

9

Quintas Monitorizadas

a procura do

SIGNIFICADO

Ler mais...

Valor representativo de um sinal ou símbolo
Aquilo que algo exprime ou representa
Importância que se dá a algo

(Academia de Ciências de Lisboa, 2001)

Valor representativo de um sinal ou símbolo

Património Vernáculo

O Património Tradicional ou Vernáculo construído é a expressão fundamental da identidade de uma comunidade, das suas relações com o território e ao mesmo tempo, a expressão da diversidade cultural do mundo. (…) Faz parte de um processo contínuo, que inclui as transformações necessárias e uma contínua adaptação como resposta aos requerimentos sociais e ambientais. Ler mais…

(ICOMOS, 1999)
Sustentabilidade

Entende-se por desenvolvimento sustentável o desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a possibilidade das gerações do futuro satisfazerem as suas próprias necessidades. Ler mais…

(WCED, 1987)
Paisagem

Formularemos uma nova definição de paisagem: uma composição de espaços feitos ou modificados pelo homem para que sirvam de infraestrutura ou bagagem para a nossa existência coletiva; e se bagagem parece inapropriadamente modesto deveríamos recordar que no nosso uso moderno da palavra significa o que põe em relevo não só a nossa identidade e presença, mas também a nossa história.

(Jackson, 1984)
ESQUENTADOR
© Georges Dussaud, 1981
CASA
© Georges Dussaud, 1987

Aquilo que algo exprime ou representa

Cidade

A identificação de um padrão de ocupação do território permite compreender que estas estruturas estão alicerçadas numa agricultura familiar de subsistência e na proximidade à cidade, garante de ligação do homem à sociedade.

Parcela

A ausência de limites definidos permitia que a Quinta se estendesse à medida das possibilidades e também das necessidades, como se demonstrou, pois mais importante do que a grande extensão, era a complementaridade entre as parcelas e a multiplicidade que ofereciam a nível funcional ou produtivo.

Casa

O reconhecimento da diversidade morfológica e funcional demonstra formas de resolver os mesmos problemas do dia-a-dia contribuindo para a compreensão dos modos de habitar nestas quintas, em que as necessidades práticas e de produção sempre se sobrepunham às necessidades estéticas e de conforto dos ocupantes.

Construção

Ainda que as necessidades tenham mudado e que as exigências de conforto sejam hoje superiores, as monitorizações in-situ nos edifícios revelaram-nos adequados ao seu contexto climático: um bom comportamento higrotérmico durante o Verão e um desempenho estável durante o Inverno.

Importância que se dá a algo

Património Vernáculo

Este património  “inclui transformações necessárias e uma contínua adaptação”, como se verificou pela indefinição de limites da parcela mas também pelos processos de construção continuados identificados ao nível da casa.

Paisagem

A quinta, enquanto unidade de produção agrícola, não é um objeto arquitectónico isolado mas sim um sistema de relações com a terra, a água ou a cidade: uma composição de espaços modificados pelo homem para que sirvam de infraestrutura para a sua existência colectiva.

Sustentabilidade

Estas quintas foram sustentáveis do ponto de vista definido pelo WCED (1984): satisfaziam as necessidades daquele momento, dentro dos limites da própria quinta, sem comprometer as necessidades das gerações futuras, numa abordagem integrada e sistémica.

MERCADO
© Georges Dussaud, 1990

Após os vários caminhos percorridos, eis-nos chegados a um momento em que nos perguntamos: o que falta fazer? O que falta saber? Ou o que falta fazer para saber mais?

Nuno Portas, 2012